Assista os gols do jogo do Flamengo na Libertadores

10
Estádio Mané Garrincha (Foto: Reprodução/Agência Brasília)

Na noite desta quarta-feira (21 de julho), o time do Flamengo enfrentou a equipe do Defensa y Justicia no estádio Mané Garrincha. O jogo, foi válido pelas oitavas de final da Copa Libertadores da América.

O Mengão, começou muito bem, e pressionou até Rodrigo Caio abrir o placar aos nove minutos iniciais. Porém, em um lance muito bizarro, o goleiro Diego Alves chutou uma bola no meia Raúl Loaiza, permitindo o empate dos visitantes.

Já no segundo tempo, o jogo deu uma leve equilibrada, mas Renato Gaúcho conseguiu fazer boas alterações para fazer o rubro-negro voltar a dominar o duelo. Michael, que veio do banco de reservas acertou uma bola na trave, e no rebote, Arrasscaeta balançou as redes do goleiro Ezequiel Unsaín. Poucos minutos depois, Vitinho acertou um chute de fora da área e ampliou a vantagem para o time Mais Querido do Brasil.

E como se não já fosse o suficiente, Vitinho marcou mais um gol para o Flamengo nos acréscimos.

Assista os gols abaixo:



10 COMENTÁRIOS

  1. Agora, sinto que o Flamengo precisa fazer a sua parte, seguir em frente, jogando, aperfeiçoando as jogadas no último terço do campo, para conversão de jogadas em gol; marcar muito, sempre, para ter essa bola e poder jogar no campo do adversário; minimizar ao máximo, erros infantis, dentro ou próximo da gransw área, principalmente; enfim, depois quw por a casa em dia, esperar que os adversários concorrentes, sofram percalços, e assuma a liderança do Brasileirão; classifique nos matas-matas que surgirem pela frente. O que tem que ser nosso, será; porque time nós temos, elenco, nós temos; técnico, está se engajando à filosofia do time; e vamos que vamos Flamengi! Pra cima deles! Um de cada vez, na proporção das competições.

  2. O Renato chegou de mansinho, aproveitou que o Ceni tinha treinado o Arão como zagueiro, escalou o Arão como primeiro volante bem recuado, protegendo a zaga, como eu pedia para o Ceni fazer e escalou os zagueiros nos seus devidos lugares. Aproveitou que o Michael estava em forma, pois vinha sendo escalado pelo Ceni e colocou o Michael pra jogar da maneira que ele jogava no Goiás, pelo lado, mas fazendo dupla função de atacante e armador, não como um ala, como o Rogério queria, voltando sempre pra marcar o lateral.
    Nessa última partida, aproveitou que o Diego tinha sido treinado pelo Ceni como primeiro volante e fez o Diego revezar com Arão na função, o que deu bastante segurança pra zaga no primeiro tempo.
    Escalou cada jogador que foi chegando, em sua devida posição e priorizou o simples, o que o time está acostumado a fazer, posse de bola e pressão na recuperação da própria.
    No segundo tempo o adversário voltou diferente, como sempre, pois é Libertadores e os times tem recursos e o Renato tentou orientar o time pra se adaptar. Não obtendo êxito, ele logo faz a primeira substituição com o Michael no lugar de um medalhão que estava sumido no jogo, mostra coragem e muda a cara do Fla e do jogo que estava pro adversário. Coragem que o Ceni nunca teve! Aliás o Ceni além de escalar errado, ainda demorava séculos pra mexer e pior, mexia errado!
    Renato vem novamente com Michael como sabe jogar, de atacante e Vitinho como sabe jogar, de atacante, fazendo o simples.
    Vitinho nunca será um meia, como o Rogério queria, só vai jogar bem quando for escalado como atacante e de preferência, quando o time precisar jogar no contra ataque.
    A receita é simples, escalar os jogadores como eles gostam de jogar e a partir daí, dar sequência no trabalho, impondo aos poucos as mudanças que ele Renato, julga necessárias.
    Se não tem tanto recurso tático como o Mister tinha, nem tanta experiência, e não quer ficar esbravejando o tempo todo na beira do campo, tem um elenco com mais opções do que o Mister tinha e vai suprir as necessidades táticas, trocando os jogadores na hora certa, pra surpreender os adversários.
    Simples assim!
    SRN!

    • Parabéns pela resenha! A visão correta de um grande flamenguista. A crítica ajuda a entender o trabalho da comissão técnica dirigida por quem tem coragem e joga com o time e essa grande Nação. O conjunto da obra faz a diferença . “UMA VEZ FLAMENGO, SEMPRE FLAMENGO”.

  3. Quatro coisas que considero importantes:
    1° O Flamengo voltou!
    2° O Renato porque tirou o E. Ribeiro do jogo. O outro treinador fazia ao contrário, tirava quem estava bem e deixava o Everton o jogo todo. A não ser que o outro treinador não tinha capacidade de perceber que o Everton não está em sua melhor fase. O Renato percebeu, teve personalidade e tirou o cara, ponto pra ele!
    3° No segundo gol que o Michel chutou de primeira no travesão, se Fosse o E. Ribeiro, não teria chutado e teria optado em fazer uma gracinha, que aliás é só isso que ele tem feito ultimamente, inclusive fez uma hoje na frente do gol do Flamengo!
    4° O DIEGO Alves é um bom goleiro, mas cometeu um erro que nem peladeiro com te!

    • Verdades difíceis de alguns aceitarem, e que por sinal tem me irritado bastante o 3°, muitas chances perdidas por más decisões, muitas vezes que é pra chutar ele não chuta, mas chuta em alguns momentos que não é. Continua sendo um bom jogador, mas acho que precisa ir para o banco um pouco.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here