Mauro Cezar Pereira manda recado para John Textor, dono do Botafogo

Mauro Cezar - Foto divulgação Jovem Pan

O Campeonato Brasileiro Série A de 2023 foi palco de uma reviravolta impressionante envolvendo o Botafogo. O time, que inicialmente dominava a competição com um desempenho notável, acabou não conquistando o título, levando a uma série de eventos que culminaram em acusações sérias por parte de John Textor, proprietário da SAF do clube.

A insatisfação de Textor não se limitou a derrotas ou à performance do time em campo, ele dirigiu suas críticas à arbitragem, alegando ter em mãos provas concretas de corrupção dentro do torneio, uma acusação que rapidamente ganhou as manchetes.

Leia também:

Textor, em um movimento audacioso, prometeu ao público e à mídia a divulgação dessas provas em um prazo de um mês, levantando suspeitas e debates acalorados entre torcedores, profissionais da imprensa e observadores do futebol brasileiro. Esse anúncio colocou o empresário americano sob os holofotes, não apenas como gestor do clube, mas também como uma figura central em potenciais mudanças no futebol nacional.

A posição de Mauro Cezar, conhecido comentarista esportivo, reflete a ansiedade e a expectativa em torno do caso. Durante sua participação no programa Bate Pronto da Jovem Pan Esportes, Cezar não poupou críticas à postura de Textor, exigindo a apresentação das alegadas provas de corrupção. Segundo ele, a veracidade e a consistência das provas poderiam variar, mas a importância de trazê-las a público era inquestionável, tanto para a integridade do esporte quanto para a credibilidade das competições.

— Enquanto ele não apresentar as provas, sejam lá quais eles forem, é difícil falar a respeito. Porque ele pode ter provas contundentes, provas parciais, provas digamos que não sejam tão consistentes, mas que despertem dúvidas. Solta logo esse negócio! Se ele tiver provas concretas, ele estará prestando um ótimo serviço ao futebol, afirmou Mauro.

Além disso, Cezar defendeu que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) deveria agir de maneira proativa, convocando Textor para esclarecer suas alegações o mais rápido possível. Esta sugestão aponta para uma necessidade urgente de transparência e responsabilidade dentro das instituições que regem o futebol no Brasil, uma vez que acusações de corrupção, especialmente de tal magnitude, ameaçam não apenas a imagem, mas também a essência do esporte.

— A CBF deveria convocá-lo já. Não dá para se fingir de morto quando uma pessoa relevante fala que tem provas. A CBF tem a condição de cobrar isso. Se diz que não está no momento, perguntar por que está falando e levantando suspeitas sobre os campeonatos. Se existe algo, tem que ser mostrado. Acho que a CBF tem que agir rapidamente, para saber o que ele tem, disse o jornalista.