Raphael Laruccia é sincero ao falar sobre os bastidores do Corinthians

Raphael Laruccia, técnico interino do Corinthians (Foto: Reprodução/Corinthians)
Banner Stake

Apesar da derrota, o técnico interino acredita que a estratégia tenha funcionado

O Corinthians enfrentou uma derrota por 3 a 0 contra o Cruzeiro no último domingo, durante a 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. Apesar do placar desfavorável, o técnico interino Raphael Laruccia acredita que a estratégia que ele montou “funcionou”.

Em sua análise após a partida, Laruccia destacou o equilíbrio entre as equipes, mesmo com o resultado elástico. No primeiro tempo, o Corinthians chegou a empatar, mas o gol foi anulado. O adversário também teve um gol anulado na segunda etapa, o que poderia ter alterado o placar para 4 a 0.

O técnico ressaltou a importância de considerar o contexto geral do jogo, incluindo dinâmicas e números. Embora o Cruzeiro tenha tido uma finalização a mais, a diferença foi a eficácia nas finalizações, com o Cruzeiro sendo mais preciso.

Eu sempre gosto de olhar para o contexto, para o todo. Futebol não é nunca uma coisa só. Se formos olhar para o jogo e para as dinâmicas do jogo, ver os números do jogo, também, pegar os números de finalizações… A equipe do Cruzeiro teve uma finalização a mais do que nós. Talvez isso mostre que não houve tanta superioridade. Pode parecer isso porque buscamos ter uma uma postura um pouco mais cautelosa tentando proteger o espaço por dentro e controlar o jogo.

Isso dá a sensação de que o adversário está tendo superioridade. Passa uma falsa sensação. Mas se olharmos as ações de último terço, elas foram muito parecidas, até na finalização das jogadas. O que diferenciou bastante é que eles conseguiram ser mais felizes acertando o alvo. Tiveram um aproveitamento maior. E o placar já diz isso. Mas foram 12 finalizações do Cruzeiro, se não me engano, e 11 para nós. Esse número mostra um certo equilíbrio. Temos de ter essa consciência, disse

Laruccia lamentou a falta de tempo para treinar, já que o Corinthians teve apenas dois dias entre a vitória sobre o Vitória e o jogo contra o Cruzeiro.

O que falta é tempo para trabalhar e para treinar. Não temos treinado. Temos descansado e conversado bastante, mas não conseguimos treinar. São dois dias entre um jogo e outro. É muita conversa, tentar montar estratégias olhando o que o adversário pode oferecer. E tentar trazer os caras para campo com o máximo de energia possível, mas se formos olhar é humanamente muito difícil, completou.

Apesar da juventude do elenco, o técnico confia que os jogadores têm capacidade para assumir o protagonismo. A média de idade baixa não deve ser um obstáculo.

Eu acredito que nós temos no elenco atletas que têm capacidade para exercer esse papel de protagonismo. Nosso elenco é jovem, numa média geral tem uma idade baixa. Mas tem atletas com idade baixa e vasta experiência. Eu volto a dizer: o contexto interfere demais. Entrar em campo dentro de todo esse contexto que estamos vivendo é complicado. E, aí, quando olhamos para a questão do elenco com média de idade mais baixa uma importância relativa, mas temos atletas com condições de assumir esse protagonismo, finalizou.

O Corinthians ocupa a 18ª posição na tabela do Campeonato Brasileiro, com apenas 12 pontos conquistados. A equipe busca evoluir e superar os desafios da competição.