Opinião: Momento ruim tem assinatura da diretoria do Flamengo

Gerson, Léo Pereira e Ayrton Lucas em ação pelo Flamengo contra o Ñublense (Foto: Paula Reis/Flamengo)
Banner Stake

Mais um desempenho pífio. O Flamengo novamente teve uma apresentação abaixo e apenas empatou contra o Ñublense em 1 a 1 na noite de ontem, quarta (24), pela 4ª rodada da Copa Libertadores. O resultado coloca o time em uma situação complicada no grupo. Após 11 jogos sob o comando de Sampaoli, não há a impressão de evolução, mas a culpa principal cai nas decisões erradas da diretoria rubro-negra.

Dentro de campo, vários problemas evidenciados nos últimos jogos apareceram novamente. Um time sem verticalidade, que terminou o jogo com metade das finalizações do adversário mesmo com mais posse. Um time que desperdiçou chances frente a frente ao gol. Um time com fragilidade defensiva. Um time que, em situações de apuros no jogo, não conseguiu nem montar contra-ataques e meios para desafogar.

A equipe de Jorge Sampaoli deveria fazer mais contra um adversário frágil. No entanto, é essencial observar a culpa da cúpula de futebol do Flamengo em cima deste desempenho. A cada dia, a decisão da saída de Dorival Júnior, técnico campeão da Libertadores e da Copa do Brasil, se mostra errada. O efeito desta demissão para o clube é como o peteleco que faz cair uma fileira de dominós.

Vítor Pereira chegou no início do ano e após sequências de fracassos, não deu nenhum indício que conseguiria melhorar o time. A chegada de Sampaoli representou esperança por se tratar de um treinador que teve trabalhos recentes na Europa. No entanto, escolhas erradas e ineficiência do time após 11 jogos o colocam em uma situação desconfortável.

Ainda assim, é viável afirmar que os cinco primeiros meses do Flamengo foram um borbulhão, um transe incansável entre o fim de um trabalho e começo de outro. Este problema tem a assinatura especial da diretoria rubro-negra – sem falar na preparação física, que Sampaoli tem duramente criticado em suas últimas coletivas. É impressionante no que se tornou o atual campeão da Libertadores, e é essencial ressaltar o fato que isso ocorre por causa de um período de cinco meses com dois técnicos diferentes e com conceitos distintos de seu vitorioso antecessor.

Agora, a classificação para a próxima fase da Libertadores está ameaçada. Um cenário que tanto assolou o torcedor rubro-negro está de volta. O Flamengo tem cinco pontos em quatro rodadas. Os próximos dois jogos contra o Racing e Aucas em casa serão decisivos. O Ñublense chegou a quatro, enquanto o Aucas tem três. O Racing disparou na liderança do grupo A. O time precisa responder em campo logo.

Retirado de: Esporte News Mundo