Zico faz críticas contundentes à CBF

Zico treinando seleção do Japão

O calendário do Campeonato Brasileiro tem sido alvo de críticas, especialmente por Zico, ídolo do Flamengo, que o comparou desfavoravelmente com os campeonatos ao redor do mundo. Zico expressou seu descontentamento com o fato de o Brasileirão não parar durante os jogos de seleções, o que resulta em equipes enfrentando desfalques significativos.

O problema é que, nos últimos anos, não foi valorizado o principal campeonato do futebol brasileiro. E isso tem um preço. O Campeonato Brasileiro é o único do mundo que não para quando tem jogos de seleção. Eu fui técnico em vários lugares. Meus jogadores iam todos embora quando tinha seleção. A gente treinava com 10 jogadores, cinco, porque eram todos convocados — disse Zico.

Leia também:

Ele destacou que o Flamengo, assim como outros clubes, será prejudicado durante a Copa América, já que muitos de seus jogadores-chave estarão ausentes devido às convocações para suas seleções nacionais. Essa situação, segundo Zico, reflete a falta de valorização do principal campeonato nacional de futebol nos últimos anos, afetando diretamente o desempenho das equipes.

O Flamengo contratou diversos jogadores das seleções das Américas. Vão ter nove rodadas de Data Fifa que não vai poder contar com seu plantel. E isso acontece com os outros, vários times vão perdendo jogadores — finalizou Zico.

Como ex-técnico, Zico trouxe sua experiência para ilustrar a dificuldade de lidar com as convocações de jogadores para as seleções durante o Brasileirão, ressaltando que isso resultava em treinos com número reduzido de jogadores disponíveis. Nesta edição de 2024, o Flamengo terá que lidar com nove rodadas com desfalques devido à Copa América, o que já foi um problema durante o torneio de 2021, quando o clube enfrentou um aproveitamento negativo devido às ausências.

Vale lembrar que os clubes tentaram propor uma alteração no calendário à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), sugerindo a paralisação do Brasileirão durante a Copa América. No entanto, a entidade rejeitou a proposta, alegando possíveis conflitos de datas. Essa recusa evidencia a complexidade em conciliar os interesses dos clubes e a agenda de competições internacionais.