Ex-jogador do Flamengo processa o clube mas se dá mal

Na última quarta-feira, uma decisão importante a respeito dos bastidores do Flamengo foi tomada. O Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região analisou o caso entre o ex-meia Ederson e o Flamengo, clube que o atleta defendeu de 2015 a 2018. A ação movida pelo jogador em 2020 buscava uma indenização total de R$ 937.500,00, argumentando diferenças salariais e danos morais por uma aposentadoria forçada e precoce.

Ederson alegou que, em seu primeiro contrato com o Flamengo, que teve vigência de julho de 2015 até dezembro de 2017, não recebeu um reajuste salarial devido. Segundo o jogador, estava previsto um aumento de R$ 25 mil após participar de 65% das partidas oficiais, um marco alcançado em julho de 2016. Por este motivo, reivindicou R$ 425 mil referentes a 17 meses de diferença salarial.

Leia também:

Além disso, Ederson trouxe à tona a questão de uma redução salarial no início de 2018. Afirmou que, de janeiro a julho daquele ano, seu salário foi reduzido em R$ 75 mil mensais, totalizando uma perda de R$ 412,5 mil. O Flamengo, por outro lado, apresentou como defesa a existência de um segundo contrato, assinado após o término do primeiro, onde o jogador teria aceitado o novo valor.

A questão mais delicada veio com o pedido de R$ 100 mil por danos morais. Ederson alegou que o Flamengo o pressionou a voltar a jogar mesmo lesionado, o que contribuiu para sua aposentadoria precoce. O jogador sofreu uma grave lesão em 2016 após um lance com Fagner, do Corinthians, e em 2017, foi diagnosticado com um tumor no testículo, fatos que impactaram diretamente sua carreira.

No entanto, a juíza Elisabeth Manhães Nascimento Borges, da 37ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, julgou as reivindicações de Ederson como improcedentes. A decisão foi baseada na prescrição do tempo para a reivindicação salarial e na comprovação de que o segundo contrato foi de fato assinado e aceito por ambas as partes. Além disso, foi citado que Ederson não esteve em gozo de auxílio-doença acidentário, um ponto relevante para o caso.

Carreira de Ederson

Ederson, teve uma carreira profissional notável que começou no Brasil e se estendeu pela Europa. Ele iniciou sua trajetória no RS Futebol Clube, destacando-se rapidamente e chamando atenção em competições de base pela seleção brasileira, onde conquistou títulos importantes como o campeonato mundial sub-17 em 2003. Sua passagem pelo futebol brasileiro incluiu empréstimos ao Internacional e ao Juventude, antes de fazer a transição para o futebol europeu​​.

A carreira de Ederson na Europa começou no Nice, da França, onde suas performances o destacaram como um meia habilidoso e goleador. Sua passagem pelo clube foi marcante, com Ederson assumindo a camisa 10 e deixando sua marca em clássicos importantes. Posteriormente, foi contratado pelo Lyon, onde substituiu Juninho Pernambucano e contribuiu com o time na Liga dos Campeões, antes de se transferir para a Lazio, onde enfrentou desafios, incluindo lesões que impactaram seu desempenho e continuidade​​.

Em 2015, Ederson retornou ao Brasil para defender o Flamengo, onde teve poucos momentos de brilho e enfrentou adversidades, principalmente relacionadas a lesões. Suas temporadas foram prejudicadas por problemas físicos que limitaram sua contribuição em campo​​​​.

Apesar dos desafios, Ederson deixou sua marca por onde passou, sendo lembrado por sua técnica, visão de jogo e capacidade de finalização.