Estratégia e valores oferecidos pelo Flamengo a Roma por Matías Viña são revelados

Marcos Braz, vice presidente do futebol do Flamengo - Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

Depois de um período de negociações, o Flamengo finalmente chegou a um acordo com a Roma pela contratação de Matías Viña. A diretoria rubro-negra concretizou o acordo na quinta-feira, após uma reunião com representantes do clube italiano. “Os valores da operação também já foram estabelecidos.”

Ao contrário de De La Cruz, o único reforço oficialmente apresentado para 2024, o Flamengo optou por não realizar o pagamento à vista por Viña. Conforme mencionado por Mauro Cezar Pereira, “o Rubro-Negro só concluirá a compra do uruguaio em 2027. Ou seja, em três anos.” Essa estratégia de parcelamento, envolvendo quatro parcelas anuais, soma um total de 8 milhões de euros (cerca de R$ 42,8 milhões). Além disso, “a Roma pode receber um valor maior do que este com Matías Viña no Flamengo, já que o contrato inclui uma cláusula de bonificação por títulos conquistados pelo lateral na Gávea. Segundo Mauro Cezar, “a Roma receberá mais 500 mil euros (R$ 2,6 milhões) por cada conquista.”

A contratação de Viña enfrentou obstáculos principalmente em relação aos valores. Convencer o uruguaio a retornar ao futebol brasileiro, após sua saída do Palmeiras em 2021, não foi uma tarefa difícil. O projeto apresentado pelo Flamengo rapidamente cativou Viña, que através de seus empresários, exerceu pressão sobre a Roma para aceitar a proposta. “Inicialmente, a diretoria havia ofertado 7 milhões de euros pelo jogador. O preço era considerado baixo pela Roma, que ainda terá que arcar com a quebra do contrato de empréstimo de Viña com o Sassuolo. Por isso, o Flamengo precisou aumentar a proposta em 1 milhão da moeda europeia, mais a inclusão de bônus por títulos.”

Apesar da definição financeira da operação, um detalhe pendente ainda precisa ser acertado para Viña assinar com o Flamengo. “Os bônus de desempenho ainda estão sendo conversados entre as partes para fechar o acordo.”

Paralelamente, Marcos Braz e Bruno Spindel, dirigentes do Flamengo, têm outro compromisso na Europa. Eles estão focados na negociação com Luiz Henrique, atacante do Betis, revelado pelo Fluminense. A oferta do Flamengo pelo jogador, contudo, não é considerada atraente pelo Betis, que prefere uma venda direta do jogador pelo valor de cerca de 18 milhões de euros (aproximadamente R$ 95,9 milhões)​​​​​​.